terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Comércio ilegal de dados: de acordo a pesquisa da Avira, 63% das pessoas não acham que o comércio ocorre em casos isolados

Apenas 5% desses entrevistados não tomam nenhum tipo de cuidado especial em relação à segurança de seus dados ou à perda de dados, um entre quatro acredita na obrigação estatuária da empresa de fornecer informações.

Tettnang, 17 de fevereiro de 2009 – "Por meio deste, concordo que meus dados pessoais sejam transmitidos a empresas afiliadas." –essa frase pode ser encontrada em cláusulas consolidadas, que sempre aparecem em concursos, em contratos de academias de ginástica e em cartões de fidelidade usados por lojas de departamento e postos de gasolina. Depois de assinado, esse tipo de contrato pode acarretar inúmeras consequências: telemarketing e correspondências não solicitados ou, na pior das hipóteses, débitos ilegais em conta corrente.

Nos últimos meses, multiplicaram-se as más notícias relacionadas ao comércio ilegal usando endereços particulares. Os dados bancários de quase 20 milhões de alemães foram comercializados ilegalmente, muitos call centers tornaram-se objeto de investigações e as associações de proteção ao consumidor estão bastante preocupadas. Isso fez com que 25 dos internautas exigissem leis mais severas contra o comércio de dados. Apenas 5 dos consumidores não tomam nenhum tipo de cuidado especial em relação à segurança de seus dados, pois acreditam que tais casos representam somente uma exceção. Quase dois terços dos entrevistados (63%) acreditam que o comércio ilegal de dados pessoais não é novidade e que representa uma prática consolidada no passado, sendo que a única diferença é que antes isso não era objeto da atenção pública. Esse foi o resultado de uma enquete realizada pela Avira com 4.756 visitantes no site www.free-av.com.

O que são dados pessoais, onde são gerados e como são avaliados? Como explica Rainer Witzgall, Vice-presidente executivo da Avira, “De acordo com a diretiva da UE de proteção de dados, dados pessoais são todas as informações relacionadas a uma pessoa física que podem ser averiguadas. Quase todos os traços de dados eletrônicos e não eletrônicos que informamos no cotidiano fazem parte desses dados pessoais protegidos.” No mundo digital, é difícil não deixar rastros– por exemplo, o uso de telefone celular, cartão de fidelidade ou navegar na Internet. O comércio de dados representa uma área delicada, que sempre penetra no domínio privado dos cidadãos e, ao mesmo tempo, caracteriza-se por uma falta de transparência. O processamento de dados confidenciais é um processo corporativo interno com pouca visibilidade externa e capacidade limitada de controle.

No entanto, 7% dos usuários mais otimistas são confiantes e acham que o roubo de dados representam casos isolados que serão objeto de leis mais severas no futuro Witzgall acrescenta “Considerando o aumento cada vez maior das possibilidades de coleta e análise de dados são necessários procedimentos coordenados para que o domínio privado não seja vítima de desenvolvimentos técnicos e interesses comerciais. Uma combinação de proteção legal, consumidores informados e empresas autorreguladoras seria um avanço na direção correta.”

Sobre a Avira

A Avira quer que seus clientes “vivam livres” de spyware, phishing, vírus e outras ameaças com base na internet. A empresa foi fundada há 25 anos baseada na promessa de Tjark Auerbach de “fazer software que faz coisas boas para os meus amigos e família”. Mais de 100 milhões de clientes e pequenas empresas agora dependem da experiência em segurança da Avira e software antivírus premiado, o que fazem da empresa a segunda líder no mercado mundial. A Avira oferece proteção de segurança de TI para computadores, smartphones, servidores e redes, entregues tanto como software e serviços com base em “nuvem”.

Além de proteger o mundo online, o CEO da Avira promove o bem estar no mundo offline através da Fundação Auerbach, que apoia projetos de caridade e sociais. A filosofia da fundação é ajudar pessoas a se ajudarem.

Para mais informações, visite o site www.avira.com ou participe da comunidade www.facebook.com/avira.