Volta às aulas e os perigos da Internet. Sabemos como proteger as crianças?

Falta pouco para a reabertura das escolas, embora muitos professores ainda estejam tentando entender o que os espera quando o primeiro sinal tocar. A experiência recente mostrou que o ensino online será uma alternativa a ser implantada em caso de necessidade.

Com ou sem didática online, na volta às aulas, as crianças e os adolescentes estarão novamente muito mais expostos ao mundo online. Computadores, smartphones e tablets são ferramentas muito úteis, mas também podem expô-los de modo prematuro a conteúdos bastante inadequados para a sua idade. Exatamente por isso é que devemos tomar as medidas necessárias e proteger as crianças das ameaças e dos perigos que elas podem encontrar online.

Não é preciso ser um especialista em tecnologia para aumentar a segurança das crianças na Internet. O truque é fazê-los entender os perigos.

6 dicas para começar a falar sobre segurança online com crianças:

  1. Falar da segurança online para conhecer os perigos correspondentes

Parece banal, mas antes de começar a investigar os riscos aos quais as crianças estão expostas online, basta perguntar a elas mesmas. Converse de modo calmo e sincero com os seus filhos, peça-lhes para ver os aplicativos e sites que eles frequentam, com quem conversam e os jogos que preferem. Preste atenção a todos esses detalhes para entender o que os ameaça online. Vá mais fundo, passando algum tempo com eles, usem a Internet juntos para entender o quanto estão conscientes dos riscos que podem encontrar e se sabem como se proteger das ameaças online.

  1. Explicar os perigos e ameaças que podem ocorrer online

Seja sempre prudente. Se não houve nenhum problema até agora, não significa que isso não possa acontecer com você. Quem está menos alerta é mais vulnerável aos problemas. Explique aos seus filhos os perigos que eles podem encontrar na Internet e principalmente porque eles não devem compartilhar informações pessoais na rede e com estranhos. Não subestime a capacidade de compreensão deles. Mostre exemplos práticos: todos nós conhecemos pelo menos um caso de e-mails de phishing, vírus, golpes online, conteúdos roubados e muito mais.

  1. Colaborar para estabelecer regras relativas à proteção online

Privar as crianças dos seus dispositivos tecnológicos favoritos pode ser uma medida extrema. Em vez de remover os dispositivos por um certo tempo, tente estabelecer limites de uso diário: assim, o controle será mais fácil para você também. Ensine às crianças como se desconectar e estabeleça também onde os computadores, smartphones e tablets não são usados, por exemplo, à mesa.

  1. Atualizar as configurações de privacidade e segurança de contas e dispositivos

Aumente a proteção das suas contas, especialmente aquelas relacionadas à privacidade. Escolham juntos uma senha poderosa e torne privadas ou compartilhe apenas com amigos as fotos e outras informações importantes dos perfis nas redes sociais. Certifique-se de que as informações das suas contas seguem também a mesma regra e não se deixe levar pelo entusiasmo neste ano: partindo de uma foto banal dos seus filhos em frente à escola, compartilhada na rede, os mal-intencionados podem obter informações valiosíssimas.

  1. Proteger os seus dispositivos das ameaças online

Quando você não está no controle, a tecnologia que pode dar uma mãozinha. Muitos aparelhos tecnológicos possuem o chamado Parental Control (controle pelos pais), uma função que permite monitorar a atividade online, bloquear o acesso das crianças a certas categorias de sites, mas também configurar faixas horárias ou tempo de uso. É importante lembrar, porém, que se trata apenas de uma ferramenta que pode ajudá-lo a aumentar a segurança online dos seus filhos, mas não substitui a presença vigilante de um dos pais. Além deste recurso incorporado dos dispositivos, os desenvolvedores elaboraram muitos outros aplicativos úteis para monitorar e proteger a privacidade e a segurança dos seus filhos na Internet.

Leia também: Monitoramento de crianças

  1. Instalar uma proteção do tipo antivírus.

A Internet é um recurso preciosíssimo para todos, mas que certamente não foi criado para as crianças. Basta um clique incorreto para comprometer um dispositivo, conta ou dados bancários, principalmente se os pais deixam os próprios aparelhos nas mãos dos filhos. Certifique-se de instalar um software antivírus em todos os seus dispositivos. Tablets e smartphones acessam a Internet e também correm risco. Recomendamos o Avira Free Security para que você, os seus dados e dispositivos fiquem protegidos de qualquer tipo de ameaça, inclusive das vulnerabilidades encontradas na sua própria máquina, como senhas fracas ou software desatualizado. Além disso, ele garante uma navegação web protegida e oferece proteção em tempo real, bloqueando sites maliciosos antes que sejam carregados.

Leia também: Infográfico: controle dos smartphones por parte dos pais

Este artigo também está disponível em: InglêsFrancêsEspanholItaliano